SES-MG contabiliza avanços na área de Saúde em 2017

Mesmo enfrentando um ano de severas dificuldades financeiras, a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) avalia ter utilizado da melhor forma os escassos recursos disponíveis e obtido avanços para o atendimento à Saúde em Minas.  Atuou com agilidade diante de inesperados desafios, investiu na implantação de serviços regionais, viabilizou melhorias significativas no transporte de pacientes, possibilitou a reciclagem permanente de seus servidores, mantendo alto o compromisso de bem servir a população mineira.

Crédito: Marcus Ferreira

Desafios – A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) deu resposta muito rápida a dois grandes desafios de 2017, o surto de febre amarela e a tragédia em Janaúba. O secretário Sávio entende que a rápida e intensa mobilização da SES-MG permitiu o alcance de “resultados expressivos de vacinação da população e controle da febre amarela”. Também em relação ao incêndio na Creche Gente Inocente, em Janaúba, Sávio avalia que “a mobilização da Secretaria foi completa” e que “em nenhum momento faltou transporte ou leitos para o atendimento dos pacientes”. A prontidão da SES-MG conseguiu evitar desastres maiores nos dois casos, também se fazendo permanentemente presente no enfrentamento do Aedes, na vigilância sanitária e na adoção de protocolos para a segurança do paciente nas unidades de Saúde.

Crédito: Manoel Marques/Imprensa MG

Serviços regionais – Em junho de 2017, os municípios de Divinópolis, Bom Despacho, Dores do Indaiá e 50 outros que compõem o Território Oeste comemoraram a instalação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), para atendimento de uma população de cerca de 1,2 milhão de pessoas. Avaliando a importância do equipamento, Sávio considerou à época que, com o início das atividades do Samu Oeste, 540 dos 853 municípios mineiros passaram a ter acesso ao serviço. “O Samu 192 Regional já está implantado e em pleno funcionamento em cinco Regiões Ampliadas de Saúde – Norte, Nordeste/Jequitinhonha, Centro Sul, Sudeste e Sul. A esses soma-se agora o Samu 192 RAS Oeste”, afirmou. Importante, a implantação do Samu Oeste não foi a única grande realização da SES-MG em 2017. Foram obtidos credenciamentos significativos para hospitais de alcance regional, como em Curvelo, e em centros de especialidades odontológicas também de alcance regional, como em Montes Claros. No final de novembro, foi instalado no Hospital Eduardo de Menezes, em Belo Horizonte, o primeiro serviço ambulatorial de atenção especializada no processo transexualizador da saúde pública estadual. Em paralelo, a SES-MG contabilizou durante o ano a entrega de centenas de veículos para apoio aos serviços de Saúde em municípios de todo o Estado. Segundo Sávio, o programa de doação de veículos “contempla a grande quantidade de municípios com pequena população, onde não se justifica a construção de hospitais para atender média e alta complexidade. O vazio é suprido com o transporte”, que cumpre a função de remover um paciente de um estabelecimento de Atenção Primária para outro de nível de atenção maior.

Créditos: Marcus Ferreira

Abertura e transparência – No decorrer de 2017, a SES-MG abriu discussão sobre temas que permaneciam negligenciados. Em julho, entre os dias 10 e 12, participou no Minascentro, em Belo Horizonte, da 1ª Conferência Estadual de Saúde das Mulheres de Minas Gerais. Na solenidade de abertura, o secretário Sávio, que é também presidente do Conselho Estadual de Saúde, afirmou ter “certeza de que, com a Conferência, as representantes mineiras eleitas levariam para a Conferência Nacional o compromisso de Minas Gerais com a diversidade, com a integralidade da saúde e com o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS)”. Já em setembro, entre os dias 26 a 28, a SES-MG realizou a 1ª Conferência Estadual de Vigilância em Saúde. O objetivo foi levantar diretrizes para a construção de uma política nacional de Vigilância em Saúde e ampliar as discussões em defesa do SUS, tirando conclusões a serem apresentadas por Minas na conferência nacional em Brasília. Na abertura do evento, Sávio foi enfático na necessidade de defender o SUS. Segundo o secretário, essa conquista, proporcionada pela Constituição Cidadã de 1988, enfrenta em Brasília o sucateamento imposto pela Emenda Constitucional nº 95, que limita os investimentos em Saúde pelos próximos 20 anos, e a proposta dos planos de saúde populares, que ferem o propósito de disponibilizar à população tratamento integral, universal e igualitário. Sávio voltou a defender o SUS durante o Seminário Mineiro de Regulação em Saúde, realizado pela SES-MG nos dias 18 e 19 de dezembro, em Belo Horizonte. Endossando a escolha de resistência como palavra de ordem, o secretário reafirmou na ocasião a “necessidade de regras e mecanismos para a orientação de um sistema que seja de fato universal equânime, resolutivo e integral”.  À abordagem de temas como esses, soma-se a ênfase que a SES-MG vem dando à atuação da Ouvidoria da Saúde.