Sávio lembra os 70 anos da formação do Estado de Israel

Comemorado intensamente pelos israelenses, o 14 de maio marcou a passagem dos 70 anos da formação do Estado de Israel. Sávio, que comemorou a data há 20 anos quando era presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte, renova sua esperança em paz para toda a região.

Histórico – Em 14 de maio de 1948, o líder israelense Ben Gurion anunciou em Tel Aviv a independência do Estado de Israel, depois que a ONU, por meio de sua Resolução nº 194, garantiu o retorno de refugiados à terra natal. O ato em Tel Aviv visava oficializar o fim da trágica história do povo judeu, protagonista de sucessivas diásporas desde antes do Século I, quando aquele povo começou seu périplo de dispersão pelo mundo, perdendo sua identidade territorial. Ao ler a Declaração de Estabelecimento do Estado de Israel, Ben Gurion formalizava o sonho judaico da repatriação e concretizava os ideais sionistas verbalizados pela primeira vez por Theodor Herzl no ano de 1896.

Sávio Souza Cruz presidiu a Câmara Municipal de Belo Horizonte no biênio 1997/98 (Foto: Estado de Minas)

Os 50 anos – Em 14 de maio de 1998, Sávio Souza Cruz era vereador na Câmara Municipal de Belo Horizonte e exercia o cargo de presidente da instituição. Por orientação sua, a Câmara abriu espaço em sua Ordem do Dia para tornar público um Manifesto  pela Paz no Oriente Médio. Na ocasião, a região mostrava-se profundamente conflagrada, especialmente em razão da ocupação do território palestino pelos israelenses. No Manifesto, Sávio lembrava a “extraordinária força do povo israelense, que, no curto espaço de cinquenta anos, tinha colhido flores no deserto, feito renascer a língua hebraica e erguido uma economia próspera e moderna”. Considerando que aquele povo não poderia ignorar a partilha do território palestino feita pela ONU em 1947, Sávio manifestava a esperança de que a força já demonstrada por ele fosse “colocada a serviço de todos os povos do Oriente Médio”, assim contribuindo para a paz e a prosperidade na região. Mas o fato é que tensões e sobressaltos jamais a deixaram.

Passados mais 20 anos – No último 14 de maio, israelenses se reuniram em festas realizadas desse as margens do Mar da Galileia, ao norte, até a cidade de Eilat, no sul, incluindo o Bulevar Rothschild, em Tel Aviv, onde Ben Gurion fez a célebre leitura de 1948. Comemoraram os 70 anos do Estado judeu. Mas tensões na fronteira norte e protestos de palestinos reivindicando o direito de retorno às suas terras ofuscaram as celebrações. Também contribuíram para o clima tenso a expectativa de uma possível retaliação do Irã após o ataque a uma base síria atribuído pela Rússia a Israel. Tensões também se agravaram depois dos ataques aéreos dos Estados Unidos, Reino Unido e França a instalações militares sírias. A região atravessa a história como uma das mais conflituosas do mundo.